Como escolher o hospital maternidade para o parto? Melhores critérios para escolha

O parto é um dos momentos mais importantes durante toda essa jornada da gestação, afinal é o momento da chegada do bebê. Muitas mães idealizam seus partos de diversas maneiras e a hora de escolher o hospital ou método que esse bebê chegará pode ser angustiante.

Há várias mulheres que escolhem parto natural, em casa, com acompanhamento de doulas entre outras escolhas que não incluem hospital, equipe médica e possível intervenção de emergência. Mas, há mulheres que preferem contar com toda a estrutura necessária para se sentirem seguras e evitar qualquer problema de emergência.

Para você que deseja saber como escolher um bom hospital e quais critérios devem ser observados segue as dicas abaixo:

GEDSC DIGITAL CAMERA
  • Primeiro lugar converse com seu médico e veja onde ele prefere trabalhar. Há médicos que fazem partos em diversos hospitais e eles já conhecem a estrutura de cada local, as especificações e particularidade de cada local. Tenha uma conversa franca com ele e pergunte: Onde você prefere trabalhar? E por que?
  • Procure pessoas que já tiveram seus bebê nesses locais. Nada como conversar com quem já teve um bebê nesse hospital. Procure pessoas que já tiveram parto normal e cesária. Se você não conhecer, talvez vale ir na maternidade e conversar com algum parente que esteja lá no momento e possa te receber para trocar uma idéia.
  • Escolha como você deseja que seja seu parto: Tem mulheres que já tem em mente que tipo de parto deseja ter ou tentar. Caso você queira parto normal, precisa ver com seu médico sobre: como será o acompanhamento, se ele ficará com você durante todo o trabalho de parto (independente de quantas horas levará), se serão doulas ou enfermeiras que te acompanharão, se você terá acesso a medicamentos que diminuem a dor ou não e em qual momento, qual o procedimento em caso de uma cesária de emergência, qual a estrutura disponível para parto normal (bola de pilates, chuveiro com água quente, cama que permite ficar numa posição confortável).
  • Dica importante para parto normal: saiba como são as políticas de uso de incisão no períneo (episiotomia) para facilitar a passagem do bebê ou utilização de qualquer outro método ou instrumento que facilite a saída do bebê. Isso te ajudará e muito, pois muitas mulheres sofrem violência obstétrica, por isso procure se informar e evite cortes e procedimentos que não sejam realmente necessários ou autorizados;
  • Vale procurar saber também: horário de internação; tipo e quantidade de visitas que você pode receber; tipo de quarto ou enfermaria; se você pode distribuir lembrancinhas e/ou colocar enfeites na porta; se você pode receber fotógrafos e equipe de filmagem; se um acompanhante pode dormir com você durante toda a internação; se seu bebê pode ficar ou não no berçário a primeira noite; quais são os itens da mala do bebê e da mãe que aquela marternidade exige; serviços e valores que são cobrados a parte.
  • Alguns hospitais pedem para você descrever que tipo de acompanhamento você deseja (plano de parto). Procure descrever o máximo antes e conferir com a equipe do hospital como é o procedimento padrão deles e assim negociar aquilo que talvez não seja da sua vontade.
  • Procure o hospital maternidade com antecedência (entre as 30 e 32 semanas de gestação) e agende uma reunião para esclarecer todas as dúvidas, como numa entrevista mesmo.
  • Procure conhecer todas as pessoas envolvidas ou pelo menos as essenciais, como o obstetra e o anestesias, além da equipe de berçário;
  • Se não quiser, você não precisa deixar que estudantes de medicina estejam na sala de parto com você;
  • Procure saber se seu companheiro pode estar com você na sala de parto, se pode cortar o cordão umbilical, mesmo no caso de cesária e se pode te acompanhar no momento de levar ponto;
  • Priorize hospitais que tenham estrutura que podem ser usadas em caso de emergencia como UTI e UTI NeoNatal;
  • Em caso de parto de bebês do sexo feminino há mães que preferem que a bebê tenha sua orelha furada e brinco colocado na maternidade. Porém, essa prática é feita por enfermeira de maneira particular e alguns hospitais proíbem. Já ocorreram casos em que as mães autorizaram a perfuração da orelha e o hospital mandou retirar o brinco depois, causando dor no recém-nascido.
  • Procure saber sobre as políticas: de segurança para impedir troca e sequestro de bebê; de indução de parto, administração de medicamentos para dor (e em que momento) ou participação ativa sem medicamento, rompimento artificial de bolsa; uso de técnicas de relaxamento e música; se você pode escolher a melhor posição para ganhar o bebê; se pode escolher ver a cabeça do bebê saindo; se você pode escolher ter seu bebê colocado no seu colo logo após o nascimento; se seu companheiro pode participar do momento de sucção da passagem de ar do bebê; ajuda de enfermeira para você amamentar; se seu companheiro e você terão oportunidade de ficar a sós com o bebê na sala de parto; com quantos dias você pode deixar o hospital.

Gostou das dicas? Deixe seu comentário e compartilhe com mães que precisam dessas informações.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.